29 julho, 2010


"Já fiquei sozinha no meio de mil pessoas e a sentir a falta de uma só. Já olhei o mundo de cima e mesmo assim nao encontrei o meu lugar. Já tremi de nervoso, e quase morri de amor. Já me deitei de madrugada e vi a lua virar sol. Já andei no caminho errado e continuo a andar pelo desconhecido. Já fiz juras eternas e já  me apaixonei achando que era para sempre, mas era um "para sempre" pela metade. Já vi amigos partir, e amigos vir. mas a vida é mesmo assim, um ir e vir sem razão de ser" tudo se renova. e nós nunca escapamos a isso, e não sabemos escapar. O melhor que podemos, é contornar os males que fomos alimentando. Peço, peço que as vezes o tempo pare um pouco, e me deixei ficar... ficar a preparar-me para mais mudanças, porque torna-se demais para mim. tira-me o fôlego, tira-me a alma. e o que me dá? pontos de interrogação e medo de por os pes a caminho. A solidão deixa de ser um nome apenas. Toco-a, empurra-me e agride-me. Mas, eu tenho de ter necessariamente uma alma.. senão, onde se alojaria todo este frio que não esta no corpo?

3 comentários:

annie disse...

tens toda a razão, as pessoas surpreendem-nos sempre e pior, aquelas que mais amamos são as que mais nos magoam :x
mas eu aprendi, aprendi que não posso pensar só nos outros, tenho que pensar em mim, em primeiro lugar.

Carla disse...

Adorei. :O
As piadas secas são mesmo giras.:'D

Andreia disse...

Adorei , está mesmo bom (: