29 setembro, 2013


Quanto mais sei sobre mim, mais me assusto. Continuas aqui comigo, integro e cada vez mais próximo, enquanto eu tento fugir das tuas mãos e não pensar porquê. Não pensar como é que as minhas prioridades e os meus desejos mudam quando não deviam mudar. Como é que tenho tanta facilidade em brincar com o fogo. Este meu deslumbramento pelo que é novo na minha vida, trama-me. Sejam lugares ou pessoas. Não me posso esquecer de ti, não me quero esquecer de ti. Eras a minha prioridade e com quem me realizava. Continuo a fazer figas para que seja só mais uma fase no meio de tantas. Tento normalizar o que se passa na minha cabeça, mas a culpa corrói-me tudo. Não mereces a minha falta de integridade, e sobretudo, não mereces a minha falta de honestidade. Não mereces que me falte a vontade de te amar. 
Que seja só mais uma fase no meio de tantas porque eu ainda te pertenço. 

2 comentários:

disse...

oh doce joana, tenho muitas saudades de te ler! espero que voltes um dia e que vejas que ainda há aqui alguém à tua espera! um beijinho

Flávia disse...

compreendo bem as tuas palavras mas tudo cicatriza . há dias de sol na Dor também .