04 novembro, 2011

não me deixes

não te sei negar. todas as partes do meu corpo chamam por ti assim que se ouve o teu ruído. não há como o negar. se eu pudesse,se eu pudesse,pegava em ti a meio da noite e guardava-te na minha cabana perto da praia. não te sei negar ainda mais quando sei que não és garantido. que vontade de me preencher,que vontade de arrancar a tua pele e colar na minha. que vontade de caminhar a teu lado às três da manhã,que vontade de ficar acordada a passar-te a mão no braço,que vontade de chamar por ti e ver-te ao fundo da rua, que vontade de agarrar o tempo e fazer dele o leite da meia noite,que dura eternidades,que vontade de ficar sentada na lua a espreitar-te a janela. fica comigo aqui,de mão dada. fica comigo aqui e dá-me um bocadinho do teu cheiro. amor apressado que corre entre as janelas do ultimo comboio da noite. amor apressado,cheio de esperas. amor que espera beijar na chuva,no meio de tudo e de ninguém. digo tantas vezes que não te quero perder,apesar de não te ter. mas mesmo assim,não te quero perder. nem mesmo nas horas de sono e sonhos vadios. e tu,não tenhas medo. se quiseres,guardo-te o coração para ninguém lhe tocar. guardo e não o amo demais. amo na medida certa,como te der mais prazer. diz-me se quiseres. manda-me um bilhete por baixo da porta,manda-me um sim desenhado no céu. e olha,espero que não apanhes o próximo comboio. espera mais um bocadinho,até que faça o meu coração acalmar. deixa-me olhar-te um bocadinho mais nos olhos e saber exactamente a cor que os define. deixa-me preencher-te com as minhas impressões digitais,de levezinho. juro-te que vai saber ao paraíso. como eu gostava de apanhar o comboio contigo,contar as gotas da chuva e sair a meio da viagem para te contar as minhas histórias enquanto andamos em frente. há qualquer coisa que me diz que tens tanto para me ensinar e talvez seja o gostar tanto de ti. mas os teus olhos não mentem e dizem-me que gostas de ser descoberto e logo de seguida,descobrir. não te vás já. tenho o mundo todo na mão para te oferecer. tenho o sol,os mares,as tempestades,o quente e frio que te abraçam enquanto estiveres comigo. não te vás enquanto as gaivotas ainda estiverem por cima de nós. não é agora que tens de partir,ainda não. confia em mim,o comboio já vai cheio e a minha casa está vazia apenas com o calor da lareira. nada mudará,apenas a cor do céu que estará feita para nós os dois,com a tua cor preferida e com a minha cor preferida. talvez seja a mesma,quem sabe. quem sabe que até te poderei ensinar a amar,todos os dias,na medida certa,sem questões. hoje,não te vás.

11 comentários:

Maria Filipa disse...

"tenho o mundo todo na mão para te oferecer." está lindo *

ines disse...

Joaninha deixas-me sempre tão levinha

claire disse...

"há qualquer coisa que me diz que tens tanto para me ensinar e talvez seja o gostar tanto de ti." esta completamente uau

Mariana disse...

Sorri tanto enquanto lia. Obrigado Joana * Amei

mary disse...

joana,tinha saudades de te ler. e tenho que te dizer que me acalmas..muito.:)

annie disse...

este texto está lindo lindo, mil e quinhentas vezes. uma delícia, joaninha <3

annie disse...

e esta música aqui, que paraíso aqui :)

Agostinho Barros disse...

ADORO *_* , sigo, segues o meu o: ?

claire disse...

obrigada joaninha:))

karina disse...

que cantinho tão bom que é o teu *.* podia passar o dia todo a ler o que escreves e nunca me cansava. amei o texto.

Emmeline disse...

é querido ver que ainda há pessoas como tu, a quem me apetece dar asa e guardar-te junto ao peito durante a viagem. não sei o que é, a não ser a certeza que tens dentro de ti mais do que este mundo que te espera todos os dias da tua vida... tens tanta coisa,longe ou perto de mim. :) beijas me a alma