16 outubro, 2011

(fotografias de:elizabethsarah)
não adormeças hoje. nem hoje,nem amanhã. enchi o coração de amor e há coisas que te quero dizer. há coisas que quero guardar aí dentro. sabes uma coisa,tenho tentado arranjar um sinónimo de algo na minha vida que se adeqúe a ti. talvez estranho,mas quero pensar em ti para além da tua figura. quero pensar em ti nos objectos da minha casa,no ar que entra de manhã,na porta aberta. quero-te em tudo,todos os dias. encho-me de ternura e digo finalmente que te pareces com o meu perfume de cheiro a chocolate. nunca enjoativo,sempre presente,mas em pequenas doses. em pequenas doses para não se perder. dei um pequeno golo na minha meia de leite com natas,que finalmente aprendi a fazer ao meu gosto e imagino-te a sorrir. a sorrir só,sem nada a dever. são os teus melhores sorrisos. imagino-te a sorrir porque sempre me disseste que o perfume de chocolate era eu e eu negava. agora,sou eu que afirmo que o perfume de chocolate és tu. imagino-te a sorrir porque percebeste,tal como eu,que somos feitos do mesmo cheiro,da mesma matéria. e imagino-te a sorrir ainda,pelas grandes coisas que se afirmam no meio de nada. adoro descobrir-te e adoro ter tanta certeza do que escrevo. do que finalmente exprimo. sentia saudades de mim assim,a falar de amor em tom de melodia. guardei a flor amarela que me trouxeste no outro dia,da tua caminhada. guardei-a para que fosse a primeira flor. a primeira a eu dar sentido,a primeira a eu aprender a gostar. e hoje percebi no meio de tantas coisas,de tantas verdades e de tantas recordações,que me sabes de cor. e olha,isso faz-me chegar o meu coração um bocadinho mais perto do teu. gosto de bocadinhos por isso este é vezes 100. gosto de enumerar o que gosto em ti e por isso,aqui vai-gosto que me dês muitos beijinhos na testa,só porque sim. gosto quando me apertas a mão com força,gosto quando tocas na ponta do meu nariz,gosto quando me chamas de meu amor, gosto quando me tocas no braço,gosto quando segues os meus traços com o olhar,gosto quando fazes a cama e deixas sempre um bocado do lençol levantado,gosto quando calças os meus chinelos e ficas com metade dos pés de fora,gosto quando fumas na janela,gosto que me digas que nada é assim tão importante, gosto que me afastes o cabelo dos olhos,gosto da linha do teu corpo quando estás deitado à minha espera,gosto dos teus óculos de sol porque és tão tu,neles. gosto de te ver a olhar para o mar,gosto quando me dizes que me vais tirar fotografias,gosto que vivas para ti,comigo,com os passos descontraídos. e gosto ainda quando me dizes que não sou estranha,sou só aquilo que sou. hoje vem ter comigo ao restaurante as nove. faço o rabo de cavalo e levo-te o beijo de uma noite. oh leve e tão leve. falar de amor,é falar de ti. 

8 comentários:

ines disse...

Ai Joaninha, como derreti ao ler-te

karina disse...

tão delicioso :) amo.

mary disse...

és um doce,obrigada!:)

Emmeline disse...

as vezes custa conter as lagrimas. assim tao ficticio? es mel

Soraia Loureiro disse...

gostei *

marta disse...

és linda joaninha e escreves maravilhas. quando estou triste como hoje, até me fazes chorar :(

joana disse...

<3 minha linda

annie disse...

nunca me hei de cansar de te ler, juro juro juro.