17 agosto, 2011

há coisas que ficam por dizer

e seremos nós dois pássaros loucos? eu um pássaro realista,tu um pássaro sem limites. tão sem limites que eu ás vezes tenho que te bater a asa para te recordar a abrires os olhos. para aprenderes a ver-me bem. estou tão para ti,mais do que estaria previsto. previa ser forte, previa ser de postura dura e dar o ar de que tu é que perdes,e sair com um sorriso. mas pois bem,como sabemos enganar-nos na perfeição. tirei esse curso. estou tão para ti,mais do que para mim e isso nunca o poderei negar. se estivesse para mim? não reconsiderava mil e uma coisas, não permitia mil e uma coisas, não perdoava mil e uma coisas. e acabei por fazê-las as três. É nesses momentos que remoemos. que pensamos mais do que nunca na hipótese de ficar preso a alguém,por falta de coragem, por grandeza de amor. Como eu odeio os adeus. odeio-os em pessoas inesperadas. Nunca saberei se são definitivos,nunca saberei se há uma palavra de retorno que mude tudo. Nunca saberei o que querem realmente dizer. e é tal e qual,contigo. Mas esse teu sorriso acaba sempre por me fazer falta,aquele que se mostra cada vez que falo. a tua gargalhada. a tua frase mais do que repetida "anda para aqui para o pé de mim". estou sempre ao pé de ti,mesmo que não esteja. são as pequenas coisas que sabem a tanto. a tudo,neste momento. e um segredo? há dias que tenho medo de não ser o suficiente,de já não ser o que era. de quantas mais trocas te pedir,mais trocado fiques. tenho medo disto e daquilo e é disso que tenho mais medo,de paralisar com tantos medos. de fazer as coisas erradas nos momentos errados. o meu pior erro. deixo de pensar,em dias. deixo de pensar porque já não sei mais o que formular e que pareça correcto ou incorrecto. duvido da minha palavra,nesses dias. dos meus valores. e de quem será a culpa? de mais ninguém.somente minha que ainda não aprendi a deixar de ser derrotada com pouco. aqui o admito. nunca o mostro,só eu o sei,só eu o sinto. e continuas a esperar. a esperar que eu tenha as palavras certas,as soluções que tu tens preguiça de encontrar. que tu nem sabes se é essa a tua obrigação. há dias que estou cansada,só isso. há dias que se prolongam. e há dias que fazem a diferença. Neste momento,aprofundar-te foi a minha opção. fui encobrindo os teus lados mais negros para me fazer sentido todo o tempo aqui pendente em nós. mas foi sempre esse o problema,sabia exactamente que faltava algo para nos completar. faltava esse conhecimento,de tudo. e depois,e depois num dia no tempo,as coisas mudam. resta saber se melhor ou para pior. eu estarei sempre disposta a tudo. Entrei para marchar e é assim que eventualmente vou sair,quando a corda bamba se virar. com um bocadinho de orgulho,sei que sim. e em ti? pois bem.

13 comentários:

Sofia Moreira disse...

que lindo, adorei :)

ana moura disse...

parecia tanto a minha história com o lee. oh, eu também tento ser forte, sabes. porque o lee o é realmente e de facto, estou muito mais para ele do que ele está para mim. bem, ou se não está. identifiquei-me muito, e olha, és um pássaro maravilhoso.

cláaudia disse...

que lindoo, joaninhaa (:

patricia meneses disse...

Está tão bonito, desejo-te força*

Emmeline disse...

ohhh..estava a despedir-me. não da emmeline, mas do blogger. porque para mim deixa de fazer sentido se escrever so como luisa, gosto de me deixar no mistério das minhas personagens. so que..estou cansada

Emmeline disse...

oh e este texto tremeu-me. ficcional?

annie disse...

que bonito, joaninha. estes teus textos derretem qualquer um <3

cláaudia disse...

obrigada joaninha! pois já sei que é mesmo assim, tenho que deixar a vida fluir por si própria (:

carina disse...

oh, LINDO isto!

annie disse...

não vou deixar de escrever para vocês, prometo. e ultimamente tenho escrito muito - vou partilhando com vocês <3 e fazes-me sempre feliz com as tuas palavras :')

ana moura disse...

conselhos? oh querida joana, estou aqui. :')

inês disse...

joaninha, que bonito

ana minhalma disse...

escreves lindamente